O motorista da prefeitura de Urucurituba, distante 208 km de Manaus, identificado como Franciney Cruz de Castro Pontes, mais  conhecido como Ney Maruche, está sendo procurado pela polícia suspeito de estuprar e ameaçar uma adolescente de 12 anos.

A vítima narrou à polícia que sofreu ameaças por parte de Maruche de que, se ela não se envolvesse com ele, o safado divulgaria fotos íntimas da adolescente nas redes sociais.

Conhecido como bisorão, fontes informaram também ao portal O Abutre que o motorista teria um caso com o prefeito José Claudenor de Castro Pontes, conhecido, popularmente como o “Prefeito Sabugo de Uricuritoba”, e que o mesmo estaria mantendo o amante com dinheiro público, o que também deixa população do município revoltada.

Em áudio do município que chegou a redação, relata que o prefeito da cidade não está muito preocupado com o que os outros dizem sobre ele, pois usa base no rosto, cílios e gloss na boca.

O caso de estupro de vulnerável está sendo investigado pela polícia da cidade, que pede encarecidadente que, quem reconhecer o foragido Franciney Cruz de Castro ligue para a 41ª DIP de Urucurituba, pelos telefones: (92) 3214 – 2233 ou 3214 – 2276.

Nepotismo

Além do caso com o motorista acusado de estupro, o prefeito José Claudenor também é cusado pelo crime de nepotismo, após nomear parenrte para o cargo de Comissão de Representante do Município.

O presenteado com o cargo foi identificado como José Júlio de Castro Pontes, que teria parentesco com o gestor, o que configura o crime de nepotismo. O documento consta no Decreto Municipal número 048/GP de 6 de janeiro de 2021.

Além do caso do nepotismo do cargo de Comissão de Representante do Município, o gestor também contratou a irmã dele, identificada como Izabel Cristina de Pontes Castro, para o cargo de fisioterapeuta da prefeitura. Por isso, a justiça aplicou uma multa no valor de 13. 654,39 no prefeito em razão do ato aplicado em grave infração à norma legal.

Promoção Pessoal

Outra polêmica envolvendo o prefeito, o “Sabugo”, é de que o Ministério Público Federal (MPF) instaurou, no dia 23 de fevereiro deste ano, um inquérito civil para apurar a distribuição de cestas básicas, dinheiro e combustíveis, para a sua promoção pessoal.

Conforme o documento publicado  no Diário Oficial eletrônico do Ministério Público Federal, a distribuição teria sido realizada com finalidade de promoção pessoal para o eleitorado no ano de 2020.

Confira o documento:

Denúncia por propaganda não autorizada

Ainda no ano passado, a promotora Tânia Maria de Azevedo, da 3ª Zona Eleitoral do Amazonas, propôs representação por propaganda eleitoral antecipada contra o prefeito José Claudenor.

Na época, Claudenor era pré-candidato à reeleição e teria usado os perfis pessoal e institucional do município no Facebook para associar a própria imagem às obras que haviam sido realizadas pela prefeitura.

Conforme denúncia feita pela promotora, a atitude representava violação da legislação eleitoral, e as mensagens usadas nas postagem induziram o público a achar que ele seria a melhor escolha ao cargo.

Share: